RSS

Ativista Marroquino Samir Bergachi: “Um dia o islã vai respeitar os gays”

11 Set

Oi internautas!
Para estreiar com o pé direito, reproduzo abaixo uma entrevista realizada pela Revista Época (Editora Globo) com um jovem marroquino que publicou e distribuiu de maneira clandestina, a primeira revista destinada aos Homossexuais do Marrocos.

Ativista marroquino fala do preconceito enfrentado pelos homossexuais nos países muçulmanos

Foram só 200 cópias, distribuídas na ilegalidade, mas o bastante para chamar a atenção. A modesta tiragem do número inicial da revista Mithly, editada por Samir Bergachi, incomodou as autoridades de seu país, o Marrocos, por ser a primeira publicação voltada a gays muçulmanos – lá, a homossexualidade é crime passível de até três anos de prisão. Sem dinheiro para imprimir as edições seguintes, a Mithly (um jogo de palavras em árabe que pode significar tanto “gay” como “assim como eu”) foi parar na internet, mas continua gerando debates sobre os homossexuais no islã. Bergachi é otimista. “Há 30 anos, na Espanha, onde o catolicismo é forte, você podia ser preso por ser gay. Hoje, o casamento homossexual é permitido. Por que não podemos viver a mesma experiência?”

ENTREVISTA – SAMIR BERGACHI
  Divulgação QUEM É
Nascido em Nador, no Marrocos, Samir Bergachi tem 23 anos e vive há dez na Espanha, onde moram seus pais 

O QUE FAZ
Está no 3º ano do curso de jornalismo na Universidade Complutense, de Madri. Homossexual assumido, coordena o grupo Kif Kif, que dá orientação a gays em países árabes

O QUE PUBLICOU
Edita a revista Mithly, primeira publicação em árabe voltada para o público homossexual

ÉPOCA Como surgiu a ideia da revista?
Samir Bergachi –
Coordeno o Kif Kif, um grupo que trabalha desde 2004 ajudando gays em países onde eles são excluídos. Sempre orientamos a nos procurarem, identificando-se ou não. Primeiro, pensamos em criar um fórum na internet. Nossas atividades foram se desenvolvendo, até que achamos interessante a divulgação por uma revista. A primeira edição da Mithly era uma versão-piloto, não sabíamos se ia dar certo. Depois é que decidimos continuar com o projeto.
POCA A homossexualidade é crime no Marrocos. Como a revista foi distribuída?
Bergachi –
Como a primeira edição tinha apenas 200 exemplares, trabalhamos com contatos-chave. Conhecemos muitas pessoas influentes em universidades, ativistas, jornalistas. A revista era entregue em mãos, na clandestinidade. Não temos autorização para publicar a revista. No Marrocos, há quem simpatize com a causa, mesmo não sendo gay, mas há quem reaja de maneira violenta. Todos têm um pouco de receio.
ÉPOCA Por que as últimas edições não foram impressas?
Bergachi –
Não tivemos recursos para seguir com impressões mensais, mas pretendemos fazer edições impressas ao menos a cada dois meses. Estamos na terceira edição, e as duas últimas foram veiculadas apenas na internet. A versão digital deve ser atualizada mensalmente.
ÉPOCA O senhor sofreu algum tipo de ameaça por causa da Mithly?
Bergachi –
Na Espanha, nunca. Vivo aqui há dez anos porque vim estudar. Meus pais moram em Barcelona há duas décadas, mas fui criado por minha avó, no Marrocos. Eu me reconheço como marroquino, mas ao mesmo tempo não me sinto muito seguro no Marrocos. O país não é um ambiente tranquilo para os homossexuais, o que não me impede de voltar. Nunca fui atacado, mas já sofri ameaças telefônicas. Tentaram me levar para os tribunais depois do lançamento de Mithly, sob a acusação de que eu estava prejudicando a juventude local. Não deu em nada.
ÉPOCA Em nosso primeiro contato, o senhor pediu que retornássemos de um número identificado. Por medo?
Bergachi –
Não tenho medo. Meu celular recebe muitas chamadas por estar disponível na internet. Mas medo, não. Há muito tempo não recebo ameaças. De vez em quando, algum aborrecimento.
ÉPOCA Como sua família encara sua homossexualidade?
Bergachi –
Ainda é difícil, porque no Marrocos não há referenciais de gays que se deram bem. Há apenas um escritor assumidamente homossexual, Abdellah Taïa, que ganhou repercussão nacional e é um dos mais lidos no país. Meus familiares não estão acostumados a escutar coisas positivas dos gays na televisão. É claro que há dificuldades, mas lidamos bem com elas.
ÉPOCA O senhor namora? Já pensou em se casar?
Bergachi –
Sim, namoro, mas confesso que nunca pensei em matrimônio. Porém, tenho amigos no Marrocos que são casais e não precisaram sair de lá. Não são reconhecidos pelo Estado nem podem ser, já que correm o risco de ser presos, mas isso não os impede de viver juntos. Se quisesse, eu poderia me juntar a alguém e viver no Marrocos.
ÉPOCA As revistas gays ocidentais costumam publicar imagens sensuais, o que não há na Mithly. Há um receio de ofender o público muçulmano?
Bergachi –
Essa é uma questão de sensibilidade. Estamos falando do norte da África, do Oriente Médio, onde há países árabes com potenciais leitores de Mithly. Temos certas peculiaridades, mas creio que com o tempo teremos mais liberdade, cada vez mais fotos – no mesmo estilo (do Ocidente). Mithly é uma revista discreta, não é erótica. Seu público tem de ser discreto, considerando o contexto em que vive. Fazer uma publicação mais apelativa não é nosso interesse.
ÉPOCA A Mithly foi vista pelo governo como uma tentativa de “homossexualizar” o Marrocos. Como atingir seu público sem parecer estar desafiando o Estado?
Bergachi –
Tentamos atingir a sociedade civil, organizações pelos direitos humanos, partidos de esquerda. Quando se pensa em dois Marrocos, um que vê a transição para a democracia e o outro que dá passos para trás, buscamos trabalhar só com o primeiro, mas não se controla o que o segundo vai pensar. A imprensa independente nos recebeu bem, mas a oficial só fala mal.
ÉPOCA O catolicismo não reconhece a homossexualidade, mas a relação entre gays e heterossexuais tem melhorado em muitos países católicos. Isso poderá ser visto um dia no mundo islâmico?
Bergachi –
Certamente. O islã ainda vai respeitar os gays. No Marrocos, muitos heterossexuais trazem mensagens animadoras sobre isso. Na Espanha, também há pessoas tolerantes e intolerantes. Há 30 anos, na Espanha, onde o catolicismo é forte, você podia ser preso por ser gay, e hoje o casamento homossexual é permitido. Por que não podemos viver a mesma experiência no Marrocos e em todo o norte da África islâmica, por exemplo?

 

G1

Advertisements
 
1 Comentário

Publicado por em 11 de Setembro de 2010 em Homo/Bissexualidade, Política, Religião

 

Etiquetas: , ,

One response to “Ativista Marroquino Samir Bergachi: “Um dia o islã vai respeitar os gays”

  1. Paulo Cesar

    7 de Março de 2011 at 16:46

    Q bom, o mundo ainda há de mudar !

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: