RSS

A Marcha da Liberdade ocorreu e não doeu a ninguém

30 Maio

Texto: Leonardo Sakamoto

A Marcha pela Liberdade reuniu de 4 a 5 mil pessoas (dependendo da fonte) na tarde deste sábado em São Paulo. Após concentração no vão livre do Masp, ela avançou pela avenida Paulista, descendo a rua da Consolação até o Teatro Municipal e de lá até a Praça da República. Não houve o registro de violência policial como a que ocorreu no sábado passado, na Marcha pela Liberdade de Expressão.

Várias bandeiras foram erguidas na manifestação, pouquíssimas de partidos políticos: a defesa da liberdade de expressão, o combate à homofobia, o respeito aos ciclistas, a demanda por um transporte público decente e acessível, os direitos das mulheres, a crítica às mudanças no Código Florestal, entre outras. De forma irônica, cínica ou cômica, mas sem menções diretas, a questão da legalização da maconha apareceu em cartazes e em palavras de ordem.

Palavras como “Kassab sem vergonha, o busão é mais caro que a pamonha” ou “Aldo Rebelo [relator do projeto de mudança do Código Florestal] você não presta, nós queremos nossa floresta” foram ouvidas repetidas vezes, cantadas pelos manifestantes.

Um minuto de silêncio foi feito em frente ao cemitério da Consolação em nome de José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, lideranças do projeto agroextrativista em Nova Ipixuna (PA), executados na última terça (PA). Adelino Ramos, sobrevivente do Massacre de Corumbiara (RO) e assassinado nesta sexta (27), também foi lembrado.

A Marcha pela Liberdade ocorreu mesmo com a proibição da Justiça de São Paulo após um acordo entre a organização e a Polícia Militar de que não haveria referência às drogas. Na prática, pode ser considerado um ato de desobediência coletiva, com o apoio do governo do Estado.

Peço desculpas pela resolução das fotos. Vou começar uma campanha “Sakamoto Esperança” por um celular com melhor câmera. Enquanto lá, agradeço a paciência.

Em tempo: tenho certeza que haverá uma avalanche de comentários estranhos de gente que ficou decepcionada pela polícia, desta vez, não ter descido a borracha e o gás naqueles “maconheiros sem vergonha”. Para vocês, posso recomendar um bom analista para entender porque tanto ódio e intolerância.

Na concentração no vão livre do Masp, a polícia militar fez um cordão de isolamento, que depois acompanhou os manifestantes até o Centro. Flores foram distribuídas às pessoas e aos policiais.

 

PL 122 - Projeto de lei que visa combater a Homofobia

Cartazes e faixas foram produzidos na concentração no vão livre do Masp.

 

A marcha transcorreu sem incidentes graves como os do último sábado. Duas pessoas, que seria skinheads, foram detidos por atacar um carro da TV Globo.

Manifestantes fazem um minuto de silêncio aos trabalhadores mortos por conflitos no campo em frente ao Cemitério da Consolação.

 

O cordão de isolamento da polícia militar acompanhou a marcha até o final. Não houve confronto entre participantes e manifestantes.

 

Anúncios
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 30 de Maio de 2011 em Discriminação, Política

 

Etiquetas:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: