RSS

Arquivos mensais: Julho 2011

Pesquisa Ibope: 55% dos entrevistados são contra União estável e Adoção por Casais Homossexuais

Fonte: Estadão

Uma pesquisa do Ibope Inteligência divulgada nesta quinta-feira mostra que 55% dos brasileiros são contrários à decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que reconheceu a união de casais do mesmo sexo.

PARA VER EM DETALHES OS RESULTADOS DA PESQUISA E O PERFIL DE QUEM PARTICIPOU DELA, CLIQUE AQUI

Uma maioria de 55% dos brasileiros é contrária à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que autorizou a união estável entre pessoas do mesmo sexo. Mas o tema divide a população: 52% das mulheres são a favor enquanto 63% dos homens são contra. As opiniões variam muito em função da religião, idade e escolaridade dos entrevistados.

A pesquisa foi feita pelo Ibope Inteligência entre 14 e 18 de julho. Foram entrevistados pessoalmente 2 mil brasileiros de todas as regiões do país, seguindo as quotas de distribuição da população por idade, sexo e classe de consumo. A margem de erro é de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos. Os resultados podem ser extrapolados para toda a população brasileira.

A decisão do STF vai ao encontro do que pensam os brasileiros com menos de 40 anos, e contraria os mais velhos. O apoio à união gay varia de 60% entre os jovens de 16 a 24 anos a apenas 27% entre aqueles com 50 anos ou mais.

Não há pesquisas anteriores que revelem a tendência histórica, mas se a maioria dos jovens mantiver seus pontos de vista quando envelhecer, é possível que a opinião da maioria mude no médio prazo. Isso também pode ocorrer se aumentar o grau de educação da população.

A tolerância ao casamento de pessoas do mesmo sexo cresce com a escolaridade. A aceitação da união entre homossexuais é praticamente a metade entre quem só cursou até a 4ª série do fundamental (32%) em comparação a quem fez faculdade (60%).

O mesmo ocorre com as classes de consumo. Nas classes D/E, 62% são contra à oficialização da união gay. A taxa de rejeição cai para 56% nos emergentes da classe C, e fica em 51% na soma das classes A/B. Isso se reflete nas diferenças geográficas. Entre os brasileiros do Nordeste e Norte, onde a renda e escolaridade são menores, 60% são contra a união gay.

Mas nada divide mais a opinião dos brasileiros sobre esse assunto do que a religião de cada um. Entre os 60% de brasileiros católicos (50% a 50%) e entre os 12% de ateus/agnósticos/não declararam uma religião* (51% de apoio) há um racha de iguais proporções. Entre espíritas e adeptos de religiões não-cristãs**, o apoio ao casamento de pessoas do mesmo sexo chega a 60%.

Quem desequilibra as opiniões contra a união estável homossexual são os evangélicos/protestantes. Com peso de 23% no total da população em idade de votar, eles são esmagadoramente contrários à decisão do STF: 77%. Apenas 23% concordam com os ministros.

As tendências apresentadas acima se mantêm quando a pergunta é: “Você é a favor ou contra a adoção de crianças por casais do mesmo sexo?”. Praticamente os mesmos 55% são contrários, contra 45% que são a favor. A ideia tem oposição de 62% dos homens, mas só de 49% das mulheres.

O apoio à adoção por casais gays é maior entre os mais jovens (60% entre pessoas de 16 a 24 anos) e mais escolarizados (58% no nível superior). A oposição é muito maior entre os mais pobres (62% nas classes D/E) e, principalmente, entre os evangélicos (72%).

Não opinião de Laure Castelnau, diretora-executiva de marketing do Ibope Inteligência, “o brasileiro não tem restrições em lidar com homossexuais no seu dia-a-dia, mas ainda se mostra resistente a medidas que possam denotar algum tipo de apoio da sociedade a essa questão”.

Isso porque o instituto perguntou qual seria a reação do brasileiro caso seu melhor amigo revelasse ser homossexual. A grande maioria, 73%, respondeu que a revelação não afastaria um do outro. Mas 14% disseram que se afastariam um pouco do amigo gay, e 10%, que se afastariam muito. Os mais incomodados seriam os mais pobres, os mais velhos e os evangélicos.

O Ibope investigou também a opinião dos brasileiros sobre o exercício de carreiras do serviços público por homossexuais, a saber: médicos, policiais e professores do Ensino Fundamental. Embora a grande maioria não tenha restrições, o preconceito é maior contra policiais e professores gays.

Os brasileiros totalmente a favor que homossexuais trabalhem como policias são 59% da população. Outros 15% são “parcialmente a favor” (o que não deixa de ser uma forma branda de ser contra), 9% são “parcialmente contra” e 15% são totalmente contra. A maior oposição vem dos homens, dos evangélicos, dos mais pobres e dos menos escolarizados.

No caso de um homossexual dar aulas da 1º à 9º série, o apoio incondicional fica em 61% dos brasileiros. São “totalmente contra” 15%, “parcialmente contra” 9% e “parcialmente a favor” 15%. Os que sem opõem são os mesmos contrários a que haja policias gays.

Já a contrariedade a médicos homossexuais no serviço público é menor, em comparação às outras profissões. Dois em cada três brasileiros são “totalmente a favor”. Apenas 15% se declaram contra (8% totalmente, 6% parcialmente), e 17% “parcialmente a favor”.

Mais uma vez, o apoio a que os gays exerçam a carreira de médico é sensivelmente maior entre as mulheres (73%), entre os mais jovens (73% até 29 anos), entre quem fez faculdade (75%), no Sudeste (74%) entre os católicos (70%) e adeptos de religiões não-cristãs (80%).

————————
PS: (*) a versão original do texto não distinguia os que não declararam uma religião entre ateus/agnósticos; (**) a versão original do texto permitia a falsa interpretação de que o espiritismo é uma religião não-cristã

 

Etiquetas: , , , , , ,

Skinhead Gay?

Fonte: Folha
CRISTINA MORENO DE CASTRO
DE SÃO PAULO

Aos 16 anos, Danilo se interessou pela cultura skinhead, de suspensórios, coturnos, tatuagens e cabeças raspadas. Entrar nessa tribo teria sido fácil, não fosse por um detalhe: ele é gay.

Skinheads ‘da paz’ querem se livrar do estigma de racistas

“Eu pensava: não dá para eu falar que sou skinhead porque os caras não gostam de gay.” Naquela época, alguns carecas já ocupavam as páginas policiais dos jornais, com seus ataques a negros.

O skinhead Danilo, 29, que quebrou o braço durante confronto com policiais na marcha da maconha em SP

“Mas esses fascistas são minoria”, assegura, apesar de ser alvo deles. Ele diz que a tribo cultural surgiu na Jamaica, nos anos 60, e se disseminou com imigrantes que foram trabalhar como operários na Inglaterra, no mesmo período em que o movimento punk também surgia nos subúrbios britânicos.

Ao explicar por que resolveu entrar para esse grupo, diz simplesmente: “Skinhead é um cara que gosta de ouvir ska, tomar cerveja e jogar futebol com os amigos.”

Hoje, aos 29 anos, ele articula uma das vertentes que ajudou a criar, há dois anos: a Ação Antifascista, que reúne 136 pessoas na rede social Facebook.

O grupo também tem duas lésbicas skinheads, seis punks bissexuais e dois que se definem como assexuados. O restante é heterossexual, mas defende a luta contra a homofobia.

“Somos contra qualquer tipo de preconceito e lutamos pelas liberdades.”

Eles costumam se reunir em botecos, semanalmente, mas agora terão uma sede própria, com direito a eventos para tentar desmistificar a ideia de que todo skinhead e punk é brutamontes.

Desde que foi criado, o grupo já participou de uma marcha contra a homofobia que ocorreu no fim do ano passado (depois que garotos atacaram homossexuais com lâmpadas fluorescentes na avenida Paulista), de marchas contra o aumento do preço do ônibus, a favor da legalização da maconha e, mais recentemente, esteve na Parada Gay.

Pela primeira vez, eles participaram do evento em grupo, empunhando uma faixa que dizia que punks e skinheads estavam juntos –o que já é raro– contra a homofobia –o que foi surpreendente para muita gente, que chegou a aplaudir o grupo durante o desfile.

Até policiais se surpreenderam: os membros da Ação Antifascista chegaram a ser enquadrados minutos antes de começar a Parada e foram detidos quando se reuniam para organizar a participação, na quinta-feira anterior.

Em maio, na marcha da maconha que terminou em confronto com a polícia, Danilo quebrou um braço ao tentar fugir de uma bomba de efeito moral. Ficou uma semana internado e, três dias depois de sair do hospital, foi atacado por uma gangue neonazista chamada Front 88.

Hoje ele evita a Galeria do Rock, a rua Augusta, a Paulista e a Liberdade, onde essas gangues se reúnem, por ser alvo fácil: “É como se eu andasse com uma setinha: aqui, anarquista, skinhead e homossexual, bata nele.”


 

Etiquetas: , , , , ,

Os Heteroinquisidores

Fonte: Estadão
Texto: Debora Diniz – Antropólaga, Professora da Universidade de Brasília e pesquisadora da Anis

Se pai e filho agredidos por homofóbicos tivessem se ‘confessado’ gays, em vez de uma orelha decepada poderia haver dois cadáveres

Minhas visitas à Índia são recheadas de descobertas culturais. Uma das que mais me fascina é a cena de homens de mãos dadas nas ruas. Ao contrário de nós, a expressão pública de afeto entre amigos é socialmente autorizada. Assim como meninas escolares no Brasil, os indianos de qualquer idade andam abraçados com seus colegas. A mesma intimidade entre homens, vi em vários países de tradição árabe. Aos homens, é permitido o toque como sinal de amizade. O curioso é que esse traço cultural não elimina a homofobia. Ao contrário, a homofobia é uma prática de ódio que convive com essas redescrições culturais sobre o corpo e o encontro entre os sexos. Entre nós, a novidade parece ser a de que nem mesmo o afeto entre pais e filhos será permitido pela patrulha homofóbica.

Homens heterossexuais andam de mãos dadas na Índia

Um pai de 42 anos e um filho de 18 se abraçaram. De madrugada, cantavam juntos em uma festa ao ar livre no interior de São Paulo. Consigo imaginá-los felizes, razão para demonstrarem afeto mútuo. Foi o sinal para que dois homens desconhecidos perguntassem se eram gays. Insatisfeitos com a resposta negativa, saíram em busca de outros homens para iniciar a agressão. O pai teve parte da orelha decepada e o filho teve ferimentos leves. Pai e filho têm medo de represálias, pois os agressores estão pelo mundo, talvez orgulhosos da façanha ou, quem sabe, ainda sem entender por que não se pode agredir gays. Se tiverem algum senso de vergonha pelo ato, talvez seja o de ter confundido homens heterossexuais com gays.

Ramon mostra olho roxo após agressão no interior de São Paulo (Foto: Ricardo Trida/Diário do Grande ABC/AE)

A violência foi praticada com um ritual de confissão em dois atos: no primeiro, pai e filho deveriam declarar suas práticas sexuais para homens desconhecidos. Os homens homofóbicos são os inquisidores da heteronormatividade. Pai e filho negaram ser gays. Por alguma razão, a performance de gênero do pai e do filho não convenceu o grupo de homófobos. Eles buscaram reforço e retornaram com mais homens para silenciar aqueles que imaginavam ser representantes dos fora da lei heterossexual. No segundo ato, foram exigidas demonstrações de práticas homossexuais: pai e filho deveriam se beijar na boca para que os agressores vivenciassem a fantasia gay.

O primeiro ato do ritual homofóbico me leva a imaginar quais teriam sido as consequências de um “sim, somos gays” – uma autoafirmação entranhada em dois homens que não suportassem mais o tribunal homofóbico. Com essa resposta, talvez não estivéssemos diante de uma imagem de uma orelha parcialmente decepada, mas de dois cadáveres. Pai e filho foram vítimas da violência homofóbica. O curioso é que os dois não se apresentam como gays, mas como representantes da ordem heterossexual. Para os vigias homofóbicos, não importavam as práticas sexuais dos dois homens, mas a manutenção da ordem pública em que homens não devem se tocar. O interdito homossexual é tão poderoso que deveria impedir, inclusive, o contato físico entre pais e filhos.

Pai que teve orelha cortada passará por cirurgia (Foto: Juliana Cardilli/G1)

Há outro ponto intrigante nessa história que é sobre como os homófobos se formam. Essa é uma inquietação a que qualquer aspirante a sociólogo responderia com uma tautologia: os fenômenos sociais não têm causa única. Mas aqui quero arriscar um caminho de compreensão. Os homófobos deste caso foram incapazes de diferenciar uma expressão de carinho paterno de uma prática erótica entre dois homens. Como hipótese, especularia que os agressores pouco receberam afeto de homens, seja de seus pais ou de outros homens de suas redes afetivas. Uma hipótese alternativa é a de que, se houve afeto paterno, esse foi mediado pelo temor homofóbico. Essa ausência levou os agressores a desconfiar do corpo de outros homens. Ao primeiro sinal de aproximação física, a defesa é a repulsa homofóbica.

Sei que essa explicação pode parecer reducionista para um fenômeno tão complexo e dependente da cultura patriarcal como é a homofobia. Mas é intrigante o erro do radar homofóbico dos agressores, o que sugere haver um equívoco de ponto de partida: eles parecem não ter sido capazes de identificar sinais corporais de algo tão fundamental quanto o amor paterno. Mesmo que não sejam ainda pais, não conseguiram se deslocar para o lugar de filhos que já foram ou ainda são. Aos guardiões da moral heterossexual, esse é um erro de diagnóstico que denuncia uma perturbação simbólica ainda mais fundamental.

Se minha hipótese for razoável, a mediação homofóbica na relação entre pais e filhos ou entre homens que se relacionam por vínculos de amizade ou convivência perpassa a socialização de gênero dos meninos. Os homens seriam treinados para evitar expressões de afeto e carinho por outros homens. Aqui volto à imagem da Índia para lembrar que o desejo de aproximação física entre homens não está inscrito nos corpos sexuados, mas é compartilhado pela cultura em que os homens vivem. Os homófobos se formam em casa, na rua, na escola. Em todos os espaços em que a fantasia homofóbica mediar a relação entre os corpos e afetos dos homens, a violência e a injúria contra os fora da lei heterossexual irão crescer.

Veja também:

 

Etiquetas: , , , , , ,

Ditadura da HOMOFOBIA CRISTÃ em Gana: Prendam todos os “sodomitas”!

Texto escrito por:
Para saber mais sobre essa polêmica, Clique AQUI

 

Paul Evans Aidoo, Ministro Regional do Oeste de Gana pode ser considerado o Bolsonaro do país. A diferença é que o primeiro tem efetivo poder.

Ontem, seguindo ordens do “Conselho Cristão de Gana” que, como a maioria dos grupos cristãos diz defender o amor e a paz, mas apenas para aqueles que concordam com suas idéias, decretou a prisão de TODOS os gays e lésbicas da região sob seu controle imediato.

O “Conselho Cristão de Gana”, obviamente, é  formado por 5 organizações evangélicas. Nenhuma delas neopentecostal e, inclusive, conta com a participação dos Anglicanos que, no Reino Unido e nos EUA tem dado passos largos na aceitação e respeito aos homossexuais, inclusive com a ordenação de um Bispo gay, nos EUA. O ramos africano, infelizmente, continua na era medieval.

Ele mandou o Bureau Nacional de Investigações (BNI) e todas as agências de segurança “desmascararem pessoas suspeitas de se envolverem em [atividades] homossexuais”. Além disso, como toda boa caça às bruxas cristã, pede aos cidadãos uqe denunciem qualquer pessoa que lhes pareça suspeita.

Acredita-se que ao menos 8 mil pessoas, em sua região, estejam regstradas como gays ou lésbicas e o ministro exige que sejam afastados da sociedade.

Segundo o site Ghana to Ghana:

Sua ordem vem depois de meses de campanha contra a práticda (sic) da homossexualidade no país.
O Conselho Cristão de Gana, na segunda pasada, também condenou a crescent incidência da homossexualidade no país, depois de outros órgãos religiosos terem ido para as ruas protestar contra a prática (sic), urgindo aos ganenses que não votassem em políticos que acreditam nos direitos dos homossexuais.
[…]
Ele [Aidoo] disse que uma vez eles [os homossexuais] presos, serão levados perante o tribunal para testar a lei que condena a homossecualidade.


Mais informações, em espanhol.

A homossexualidade em gana é punida com prisão, manifestações homofóbicas já aconteceram no país e este é apenas mais um passo no caminho da medievalização final, do assassinato de gays em praça pública, com cânticos cristãos animando a “festa” e todos louvando o “senhor” em glória.

Mas não se enganem, Malafaias da vida e outros Marginais da Fé, assim como gente da laia de Bolsonaro, de Luiz Gonzaga Bergonzini (Bispo de Guarulhos) e Myrian Rios tem a MESMA intenção aqui no país.

Coisas absurdas em um país laico, como a existência de uma Bancada Evangélica ou mesmo a mera presença de símbolos religiosos em prédios públicos são um indício de que nunca a população LGBT estará segura.

Que fique claro que sei perfeitamente que nem todo cristão é homofóbico ou compartilha das opiniões criminosas de certas autoridades, de certos marginais, mas da mesma forma, o que fazem para combater este mal? Se insurgem quando seu padre ou pastor declara que a homossexualidade (ou o homossexualismo, para eles) é uma doença condenável? Se revoltam e denunciam a homofobia de suas lideranças? Ou continuam a louvar o Papa Reichtzinger e pastores caça-níquel?

A luta contra a homofobia não é apenas pela tolerância e respeito, mas é também pela defesa de um Estado inclusivo, em que TODO@S possam ser respeitad@s como cidadã(o)s e tenham seus direitos assegurados, não apenas os direitos ligados à orientação sexual e identidade de gênero, mas também os reprodutivos e os sociais.

Não deixe de ler os artigos abaixo:

 

Etiquetas: , , , , , , , , ,

Reprimir debate incomoda mais que vetar Beijo Gay

Por: Cristina Padiglione
Estadão

Bem no capítulo de Insensato Coração visto agora há pouco, coisa que já estava gravada e editada desde ontem, estendeu-se um discurso contra a homofobia, nas vozes de Louise Cardoso e Rosi Campos. Louise explicava que seu receio em relação à descoberta de que o filho é gay vinha apenas da violência dos ditos “pitboys”.

Casal homossexual da novela "Insensato Coração"

Ainda nesta terça, no rastro do que Marcelo Rubens Paiva anunciou anteontem, aqui nesta blogosfera do Estadão (“Casal gay já era”), e dos detalhes que Keila Jimenez enumerou na Folha de S.Paulo de ontem, Mário Viana postou no Facebook a infeliz coincidência: enquanto a Globo bota freios no debate sobre homofobia na novela das 9 e que, na melhor das hipóteses, serve à discussão em torno da criação de uma lei que passe a criminalizar homofóbicos, um pai apanhou de pitboys na vida real por ter seus gestos de afeto com o filho confundidos como homossexualidade por gente mal resolvida.

Bem a Globo, orgulhosa de tantas causas vastamente abraçadas em seus merchandisings sociais.

Frear beijo gay sob a justificativa de que isso não é cena para todos os públicos já não é algo aceitável. O canal alega que deve se dirigir à massa e contemplar todos os perfis de público, vá lá, mas frear a discussão em torno da questão, sem necessariamente fazer desfilar cenas que, no entender da direção da Globo, poderiam horrorizar os héteros, é excluir uma parcela dos perfis cobiçados. Ou não? Ora, ora, são ou não os gays consumidores excepcionais, em geral não comprometidos com gastos com educação de filhos? Daí não ser inteligente excluir (ou “neutralizar”) esse perfil do bolo que sustenta as altas cifras cobradas pela Globo do mercado anunciante.

Isso entra para a conta dos episódios que a Globo passará anos a explicar, como acontece até hoje com Proconsult, Diretas Já e Collor X Lula no Jornal Nacional da véspera da eleição de 89. Na ficção, a direção da Globo interferiu em O Salvador da Pátria, de Lauro César Muniz (também pelo contexto da eleição de 89), em O Pagador de Promessas, minissérie de Dias Gomes que teve 4 capítulos decepados, e em Anos Rebeldes, do mesmo Gilberto Braga, que, para Roberto Marinho, estava assim, digamos, com teor militante muito forte.

É uma pena que a discussão da vez em torno do casal gay da novela Insensato Coração seja interrompida, se é que assim será (quero crer que a emissora se envergonhe ligeiramente da censura total e absoluta em torno do assunto). Era a primeira vez que um rapaz se descobria saindo do armário, com todos os conflitos que isso implica, o que torna o episódio algo inédito na nossa teledramaturgia. Todo o tratamento em torno do par vinha sendo feito de modo mais do que elegane, incapaz de ofender classes C ou D ou de espantar evangélicos para a Record, como se cogitou (como se classe C ou D excluísse gays, personagens que por esta ótica seriam elitistas, e como se evangélico implicasse unicamente opção pelo sexo oposto).

Um atraso. E bota delay nisso.
Ironia boa do destino é que Jean Willys, o deputado a defender a criminalização da homofobia por meio de lei, é uma obra da Globo: foi o único ser pensante que venceu aquele Big Brother Brasil, e lá cativou a audiência justamente ao combater atitudes homofóbicas. O público ficou com Jean. E a Globo, fica com quem?

 

Etiquetas: , , ,

Globo e SBT orientam autores a “baixar bola” de personagens gays

Por: Folha
RICARDO FELTRIN
EDITOR DE ENTRETENIMENTO

Durou pouco a chamada “primavera gay” na TV aberta, que culminou no primeiro beijo lésbico numa novela brasileira, em maio, no SBT. Tanto a emissora de Silvio Santos como a Globo deram nos últimos 60 dias uma guinada nos rumos da dramaturgia, e passaram a dar ordens implícitas ou explícitas a seus autores, para que baixem a bola de cenas gays nas histórias. Oficialmente, a decisão se deve a uma suposta “overdose” do tema.

Um ajudante de novelista da Globo, que pede para não ser identificado, disse em entrevista que recebeu “aviso verbal” do autor para que não perdesse tempo elaborando personagens e cenas gays –sejam entre homens ou mulheres–, pois seriam cortadas.

Casal Homossexual na novela "Insensato coração" da TV Globo

Cerca de três semanas atrás a Globo interveio em “Insensato Coração”, vetando ousada cena gay em motel, entre o casal Hugo e Eduardo (Marcos Damigo e Rodrigo Andrade). Também o autor Aguinaldo Silva foi informado há três meses pela emissora de que deveria evitar polemizar com o assunto (gay) em “Fina Estampa”, sua próxima novela, que estreia em agosto. Silva, porém, vai incluir um personagem gay “estiloso” na história, interpretado por Marcelo Serrado. Mas não haverá cenas eróticas com ele.

Questionado sobre isso, Silva usou as mesmas palavras que já usara anos atrás, decepcionado com mais um veto da Globo a uma cena homoafetiva: “Beijo gay, só lá em casa”.

Não se trata de um comportamento novo. Desde 2008, a Globo já deixou “escapar” ao menos quatro vezes que exibiria uma cena gay, mas acabou desistindo sempre no último momento. Em abril do ano passado, um episódio de “Os Simpsons” teria sido cortado por conter um beijo gay entre Homer e o barman Moe.

Já no caso do SBT a ordem é explícita. Depois de exibir o primeiro beijo lésbico numa novela, entre as atrizes Luciana Vendramini e Giselle Tigre, em “Amor & Revolução”, a emissora agora mudou de opinião e a ordem é baixar a bola do tema.

Tiago Santiago, o autor, teve ao menos mais duas longas cenas gays cortadas de sua história. A última deveria ter sido exibida no último dia 7, entre os personagens Jeová (Lui Mendes) e Chico (Carlos Artur Thiré). O novelista do SBT disse que acataria a decisão, mesmo tendo prometido o beijo, além de um outro, entre Vendramini e Tigre.

Na Record, a orientação é implícita e parece ecoar os princípios da Igreja Universal do Reino de Deus, que não considera a homossexualidade algo natural e corriqueiro. Nenhuma trama da emissora até hoje deu destaque a casais ou personagens gays.

Abaixo, cena com o primeiro beijo lésbico da Dramaturgia Brasileira, exibida na novela “Amor e Revolução” do SBT:


 
1 Comentário

Publicado por em 20 de Julho de 2011 em Homo/Bissexualidade

 

Etiquetas: , , , , , , ,

No noticiário, casos de Pastores pedófilos superam os de Padres

No Brasil, país tido como o mais católico do mundo, a Igreja Católica não foi atingida pelo tsunami de denuncias de pedofilia que abalou a tradicional hierarquia religiosa de países como Alemanha, Bélgica, Holanda e Irlanda.

Aqui, tem havido no noticiário da internet muito mais casos de pastores pedófilos ou suspeitos dessa prática do que os seus colegas padres, sem que a grande imprensa dê conta disso.

Três exemplos recentes. No dia 20 de junho, a Polícia Civil de Duque de Caxias (RJ) prendeu o pastor Juarez Ferreira da Silva, 52, que estava foragido por ter sido condenado a 12 anos de prisão por ter estuprado quatro meninas. No dia 1º de julho, o pastor Dionísio da Silva Mattos, 55, de um templo da Assembleia de Deus em Magé, na Baixada Fluminense, foi preso sob a suspeita de ter abusado de uma menina de 12 anos. Dias depois, a imprensa portuguesa informou que o pastor Celso Miranda, 43, da mesma denominação, fugiu para o Brasil porque teria violentado um menino de 13 anos.

A imprensa dá muito mais visibilidade aos casos de padres pedófilos, como se as vítimas deles fossem mais importantes. Os padres de Arapiraca (AL), por exemplo, têm sido contemplados pela cobertura dos grandes jornais, portais e TVs. A prisão do pastor protestante Edimário Gama de Freitas, 65, sob a acusação de abusar de filhos de fiéis, só foi noticiada pela imprensa regional, na Bahia.

Se não fosse o noticiário da internet, principalmente de sites de pequenas cidades, não se saberia da existência de tantos pastores evangélicos suspeitos de abusar de crianças. Geralmente, as vítimas são de famílias pobres e  ingênuas. Acreditam, pelo menos inicialmente, que massagens de pastor podem expulsar o Satanás do corpo e em sessões de oração de “cura interior”.

Com base apenas nesse noticiário, não é possível dizer que existem proporcionalmente mais pastores pedófilos do que padres. Para isso, haveria a necessidade de um estudo aprofundado, que levasse em conta, por exemplo, a quantidade de pastores e de padres.

O evidente é que os líderes evangélicos, provavelmente por causa de grande pulverização das denominações, não têm manifestado preocupação com a pedofilia de seus sacerdotes, diferentemente do que ocorre em relação à Igreja Católica.

Ninguém da Assembleia de Deus, que é a maior denominação evangélica do Brasil, tocou no assunto até agora, embora, entre os suspeitos de pedofilia, muitos sejam seus sacerdotes. Lideranças nacionais, como o pastor Silas Malafaia, estão preocupadas mesmo em tolher os direitos de outros, como os homossexuais.

Talvez os evangélicos passem a enxergar os seus pedófilos, e não só os da Igreja Católica, quando a imprensa os descobrir.

junho de 2011
junho de 2011

Pastor evangélico engravida menina porque foi ‘uma promessa de Deus’.
junho de 2009

Fonte: http://www.paulopes.com.br/2011/07/no-noticiario-casos-de-pastores.html

 
6 Comentários

Publicado por em 20 de Julho de 2011 em Religião, Sexualidade

 

Etiquetas: , , , , ,