RSS

O homem machão está perdendo o prestígio

20 Jan


Texto de:
Regina Navarro Lins
Psicanalista e Sexóloga
Twitter: @reginanavarro

Quanto mais autônoma e livre de estereótipos, mais a mulher deseja como parceiro o homem que respeita seu jeito de ser

Mário não entendeu por que Maria Inês o abandonou, apesar dela ter lhe explicado…

“Ela se chateou porque eu a mandei jogar no lixo aqueles biquínis que usava antes de me conhecer. Ora, ela agora tinha um homem, não precisava ficar se exibindo! Mas ela falou que aquilo foi só a gota d´água, que não aguentava mais o meu jeito de ser. Só porque falei que mulher compromissada é diferente, tem que se comportar. Eu gosto muito dela, não consigo entender por que precisa ficar quase nua, se já não está só. Estávamos há quatro meses juntos, e eu até estava pensando em casamento, mas para isso ela precisava tomar jeito. As amigas dela vivem dando bola pra qualquer um, e o grupo fica falado, é claro! Mas acho que a perdi, não queria. Gosto muito dela, mas Maria Inês não consegue entender. Diz que sou um machista ultrapassado. Entrei no Facebook dela e vi um monte de homens – que não sei quem são – dizendo todo tipo de coisa, mandando beijinhos, não dá. Que segurança eu posso ter? Quis saber quem eram esses homens e ela disse que eram os ‘ex’, depois deu uma gargalhada. Estou sofrendo muito. Liguei para marcar de nos encontrarmos, mas ela não topou. Diz que sou um machão e que quer distância de machões.”

O homem machão está perdendo o prestígio. Ainda bem. Isso é bom para a mulher e principalmente para ele próprio. Os homens estão esgotados, exaustos de serem cobrados a corresponder a um ideal masculino inatingível – ser forte, ter sucesso e nunca falhar. O famoso poema “If”, de Rudyard Kipling, começa assim: “Se és capaz de manter a tua calma quando todos ao redor já a perderam e te culpam, se és capaz…”, e continua enumerando infinitas condições para, no final, se o jovem for capaz de tudo, dizer: “Então, és um homem meu filho.” Ufa! Com é difícil ser homem!

Desde pequenos os homens são desafiados a provar sua masculinidade. O masculino é uma tragédia coletiva. Nunca relaxar para sempre ser considerado macho gera angústia nos homens, além de sentimento de inferioridade entre eles. Na nossa sociedade, ser homem requer um esforço sobre-humano. Ele é tão emotivo e sensível quanto a mulher, mas aprende que para ser macho não pode chorar. Tem que ser agressivo, não ter medo de nada e, mais do que tudo, ser competente no sexo, ou seja, nunca falhar.

Como defesa contra a ansiedade que essas exigências provocam, e para encobrir o sentimento de inferioridade por não alcançar o ideal masculino, eis que surge o machão. Sempre alerta, seu objetivo é deixar claro que despreza as mulheres, pessoas homossexuais ou bissexuais e é superior aos outros homens heteros.

Até o movimento de emancipação feminina, há 40 anos, o machão ainda agradava às mulheres. Os papéis sociais masculinos e femininos eram claramente definidos: as mulheres se conformavam em apenas expressar características de personalidade que lhes eram atribuídas, como meiguice, gentileza, fragilidade e indecisão. Ocultando quaisquer outras que estivessem ligadas à coragem, força e decisão – elas se mutilavam. Sabiam que seriam repudiadas. Assim, valorizavam homens também mutilados, isto é, os que só expressavam uma parte de si: força, agressão, coragem, desafio e poder.

Acontece que, a partir daí, as mulheres passaram a se sentir no direito de se mostrar por inteiro. Podiam ser fracas, mas também fortes, dóceis e agressivas, indecisas e decididas, medrosas e corajosas, dependendo do momento e das circunstâncias. O caminho natural foi desejar se relacionar com homens que pudessem ser inteiros também, que assim como elas não mais precisassem reprimir vários aspectos da personalidade.

O machão perdeu seu lugar. Quanto mais autônoma e livre de estereótipos, mais a mulher deseja como parceiro o homem que respeita seu jeito de ser e suas escolhas. Ela valoriza o homem sensível, que não tenha vergonha de chorar, de ficar triste, que fale dos seus sentimentos e aceite seus próprios fracassos.

No que diz respeito à sexualidade, isso é evidente. A mulher gosta cada vez mais dos homens que não têm vergonha quando falha a ereção e que vão para o ato sexual não para cumprir a missão de macho, mas para trocar com ela todos os prazeres que o sexo pode proporcionar.

CONFIRA TAMBÉM:


Advertisements
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 20 de Janeiro de 2012 em Sexualidade

 

Etiquetas: ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: