RSS

Revista “Super Interessante” revela pesquisas e acaba com os mitos sobre filhos de pais gays

17 Fev

Fonte: A Capa

"Super Interessante" revela pesquisas e acaba com os mitos sobre filhos de pais gays

A edição de fevereiro da revista “Super Interessante” traz uma matéria de quatro páginas sobre filhos de pais gays. A ideia é derrubar os mitos que foram criados em torno das crianças criadas por um casal do mesmo sexo. O mais velho e conhecido deles, é que os pimpolhos também vão acabar gays por conta dos seus pais.

“As pesquisas mostram que a orientação sexual dos pais parece ter muito pouco a ver com com o desenvolvimento da criança ou com as habilidades de ser pai. Filhos de mães lésbicas ou pais gays se desenvolvem da mesma maneira que crianças de pais heterossexuais”, explica Charlotte Patterson, professora de psiquiatria da Universidade da Virginia e uma das principais pesquisadoras sobre o tema há mais de 20 anos, à publicação.

O primeiro mito que a reportagem quebra é o mais velho e conhecido deles, de que os filhos também serão gays. De acordo com a publicação, um estudo da Universidade Cambridge comparou filhos de mães lésbicas com filhos de mães héteros e não encontrou nenhuma diferença significativa entre os dois grupos quanto à identificação como gays. O que o estudo revelou, na verdade, é que filhos de pais gays, por crescerem num ambiente de diversidade, se tornam mais tolerantes com as diferenças.

O segundo ponto que a “Super Interessante” toca é que as crianças precisam de uma figura materna e outra paterna. A revista começa exemplificando com as 183 mil crianças americanas que perderam os pais na Segunda Guerra Mundial, ou seja, não são só os filhos de pais gays, que podem crescer sem um pai ou uma mãe. A tal figura materna ou paterna, pode vir a ser uma tia, ou um primo, em quem a criança irá se identificar inconscientemente. A única diferença no caso é positiva. “Crianças criadas por gays são menos influenciadas por brincadeiras estereotipadas como masculinas ou femininas”, diz Arlene Lev, professora da Universidade de Albany.

Em seguida é a vez de falar sobre os possíveis problemas psicológicos que essas crianças terão por conta do preconceito. O fato é simples, quase todo mundo vai sofrer preconceito na infância, seja por ser gay, pobre, negro, gordo, alto. O bullying não se restringe apenas aos homossexuais, e muito menos aos filhos deles. Alguns estudos comprovam que as crianças sofrem discriminação por conta da sexualidade de seus pais. Mas, pesquisas que comparam filhos de gays com filhos de héteros mostram que os dois grupos apresentam níveis semelhantes de autoestima e depressão.

Por fim, o mito mais pesado. A reportagem fala sobre os riscos que essas crianças correm de sofrerem abusos sexuais. Nenhuma pesquisa até hoje faz ligação da homossexualidade com os abusos sexuais. Três pediatras norte-americanas avaliaram o caso de 269 crianças abusadas sexualmente. Desses, apenas 2 dos criminosos eram homossexuais. A lenda é alimentada por líderes religiosos, que querem mostrar que as crianças correm risco ao serem criadas por pais gays. “Homens homossexuais não tendem a abusar mais sexualmente de crianças do que homens heterossexuais”, diz a Associação de Psiquiatria Americana.

*Fonte: Revista Super Interessante – edição de fevereiro de 2012 – reportagem de Carol Castro

 

CONFIRA TAMBÉM:

 

 

Anúncios
 
2 Comentários

Publicado por em 17 de Fevereiro de 2012 em Discriminação, Homo/Bissexualidade

 

Etiquetas: , , , , ,

2 responses to “Revista “Super Interessante” revela pesquisas e acaba com os mitos sobre filhos de pais gays

  1. eduardo

    22 de Fevereiro de 2012 at 18:52

    Que interessante essa reportagem espero sinceramente que ela sirva para quebrar esses preconceitos bestas que as pessoas tem. Realmente muitos casais do mesmo sexo têm sim muito amor a dar a uma criança e isso é melhor do que deixá-las abandonadas pelas ruas e tal

     
  2. Marco

    4 de Agosto de 2012 at 23:16

    Isto sim deveria ser de consciencia de todos. É uma pena que os brasileiros têm esta idéia ridícula de achar que a convivência com gays tornam as pessoas, também, gays.

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: